Passatempo

Ainda repito meu gesto de criança.
fecho os olhos contra os joelhos
cruzados na altura do peito
minhas mãos seguram as pernas.
Entro em posição de vírgula,
esperando pontinhos coloridos
trazerem o que nenhum
outro lugar de hoje tem.
É tão bom lembrar daquilo
que você nunca mais lembrou,
é gostosa a primeira memória.
Dona Cida me ensinou
a empinar insetos voadores.
Você prende suas asas com os dedos,
amarra linha em sua barriga
e depois solta sem deixar ir
Colhia amoras, conhecia quintais, vendia sucos,
nunca comia amoras
Roubei um ovo para jogar à noite no asfalto
e ouvir o barulho de algo que não pertence
tem gosto de passatempo com cloro
de piscina minha memória

Autor: Dindi Coelho

Radialista, ativista na luta para salvar alpacas, The Pie Maker, crítica de críticos de cinema, Mestra e Soberana do céu, inferno, Vida, Universo e tudo mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s